Conjunto de trabalhos elaborados pelos alunos do 8ºA, da professora Clara Abegão, Escola EB 2,3 Dr. José Neves Júnior - Faro sobre algumas espécies em risco e que É URGENTE PRESERVAR!
Quinta-feira, 5 de Julho de 2007
Rinoceronte da Malásia

 

 

Espécie em perigo

Rinocerontes da Malásia ameçados por problemas de reprodução, alerta WWF.
A baixa densidade de espermatozóides e outros problemas reprodutivos estão a impedir a gravidez entre os ameaçados rinocerontes da Malásia

 

Notícia:

Especialistas num encontro na ilha de Bornéo para discutir como salvar o paquiderme local disseram que uma grave ameaça - para além da caça - é a incapacidade reprodutiva desses animais.

«Talvez porque vivam em locais fragmentados, nas profundezas das selvas, eles raramente têm oportunidade de acasalar», disse Laurentius Ambu, subdirector do Departamento de Vida Selvagem do Estado malasiano de Sabah na edição de quinta-feira do jornal New Straits Times.

Mas os cientistas descobriram também que os rinocerontes machos têm escassez de espermatozóides, enquanto as que fêmeas costumam sofrer de quistos nos seus órgãos reprodutivos. «Isso é um mistério», afirmou ele.

«Estamos curiosos por aprender mais». Ambu contou que as tentativas de promover o acasalamento em cativeiro fracassaram.

«Vamos tentar ao máximo permitir que os rinocerontes procriem naturalmente», acrescentou.

A entidade SOS Rhino afirmou que algumas fêmeas em cativeiro desenvolveram tumores no útero, impedindo a procriação.

«É mais uma doença psicológica devido a desequilíbrios de hormonas e stress», disse à Reuters por telefone de Sabah o presidente da ONG, Nan Schaffer, especialista em psicologia reprodutiva.

«Isso certamente interferiu na reprodução dos animais em cativeiro».

As autoridades dizem que restam entre 30 e 50 rinocerontes nas densas florestas do Estado de Sabah, em Bornéo.

Os animais são tão pouco sociáveis que só no ano passado foram fotografados pela primeira vez.

Em abril, a entidade ambiental WWF disse ter filmado o animal pela primeira vez.

Cientistas consideram o rinoceronte de Bornéo como uma subespécie do rinoceronte de Sumatra.

O chifre do rinoceronte, feito de fibras de queratina, a mesma composição do cabelo, tem fama de ter propriedades afrodisíacas e é um ingrediente cobiçado na medicina asiática tradicional.

Reuters/SOL



publicado por EscolaJNJ às 16:07
link do post | comentar | ver comentários (17) | favorito
|

Segunda-feira, 18 de Junho de 2007
LINCE IBÉRICO
 

O lince ibérico (Lynx pardinus) tem uma pelagem castanha ou amarela com manchas negras e cauda curta. Uma das principais características deste felino é possuir nas extremidades das orelhas pêlos rígidos em forma de pincel, o que facilita a sua audição. Os seus membros são robustos, sendo os posteriores mais longos, o que lhe permite grande capacidade de impulsão, enquanto que os anteriores são mais curtos e fortes sendo por isso utilizados na captura das presas.

 

 

 

Distribuição 

   

        O lince ibérico somente existe em Portugal e Espanha.

        Apenas existem 100 destes felinos em todo este território.

        Este felino habita no matagal mediterrânico.

 

           

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Distribuição do lince ibérico na Peninsula   

Ibérica        

 

 Matagal Mediterrânico(Tejo)

Alimentação

 

         A sua alimentação é constituída por coelhos, veados, ratos, patos, perdizes e lagartos.

 

Lince ibérico a caçar um coelho

 

Comportamento

 

É um animal essencialmente nocturno, podendo deslocar-se cerca de 7 km num dia.

Os linces ibéricos não têm por habito juntar-se ou andar em grupo com outros machos, mas sempre acompanhados por uma ou mais fêmeas. Os acasalamentos ocorrem entre Janeiro e Março e após um período de gestação que varia entre 63 e 74 dias podem nascer entre 1 e 4 crias. O mais comum é nascerem apenas 2 crias que recebem cuidados unicamente maternais durante cerca de 1 ano, altura em que se tornam independentes e abandonam o grupo familiar. Normalmente, quando nascem 3 ou 4 crias, estas entram em combates por comida ou sem qualquer motivo e acabam por sobrar apenas 2 ou  mesmo 1, daí um dos seus pequenos aumentos populacionais.

 

 

Trabalho realizado por:

  • Daniel Viegas Fragoso, nº8
  • Hugo Góis, nº 12


publicado por EscolaJNJ às 19:19
link do post | comentar | ver comentários (13) | favorito
|

O Cachalote

        Ficha técnica: Baleia Cachalote 

          

            Nome Científico: Physeter macrocephalus

               Características principais: O maior cetáceo com 
dentes, é distinto, e difícil de ser confundido com outras espécies. 
A principal característica do cachalote é a sua cabeça grande 
rectangular, que corresponde até 40% do seu comprimento total. 
Têm boca inferior e dentes numerosos e bem desenvolvidos na 
maxila inferior e poucos ou nenhuns na superior. A sua coloração é 
escura e uniforme, indo do cinza ao marrom. 
A pele do cachalote é enrugada, principalmente na parte posterior do 
corpo.
Tamanho: Os filhotes nascem com 3,5 a 4 metros. Fêmeas adultas 
atingem 12 metros e os machos 18 metros.
Peso: O peso médio do macho é de cerca de 45 toneladas, e o da 
fêmea 20 toneladas.
Gestação e cria: Aproximadamente onze meses. Nasce apenas 
uma cria, pesando cerca de 1 tonelada.
Alimentação: Alimenta-se de cefalópodes.
Distribuição: Desde os trópicos até às bordas dos packice em 
ambos os hemisférios, porém apenas os machos se aventuram a 
atingir as porções extremas do norte e sul de sua distribuição. 
Razões pelas quais se encontra em perigo: Por causa dos 
seus caros produtos, como o espermacete (uma substâcia de cor clara 
utilizada no fabrico de velas)  e o âmbar-gris, o cachalote tem uma das 
mais antigas e contínuas histórias de exploração entre os cetáceos. As 
redes de deriva de alto mar, são outro problema para o cachalote, que 
acidentalmente se emalham nestas redes.
               
     
Trabalho elaborado por: Sara Machado nº18
		           Inês Júlio nº13


sinto-me:

publicado por EscolaJNJ às 15:47
link do post | comentar | ver comentários (20) | favorito
|

Sexta-feira, 15 de Junho de 2007
Lobo - Ibérico

 

 

Identificação
O lobo da Península Ibérica (Canis lupus signatus) é um subespécie do Lobo -cinzento. A sua população deve rondar entre 1600-1700 indivíduos.
Destes, cerca de 170 habitam no nordeste transmontano. 
Um pouco mais pequeno e esguio que as outras subespécies do lobo cinzento, o lobo ibérico mede entre 130 a 180 cm de comprimento os machos, e 130 a 160 cm as fêmeas.
Os machos pesam geralmente entre 20 a 40kg e no caso das fêmeas entre 20 a 35kg.
A pelagem é de coloração acizentada e mesclada de negro, particularmente sobre o dorso.
Alimentação

A alimentação é muito variada, dependendo da existência ou não de presas selvagens e de vários tipos de pastoreiro em cada região. As suas principais presas são o javali, o corço e o veado, e as presas domésticas mais comuns são a ovelha, a cabra, a galinha, o cavalo e a vaca. Ocasionalmente também mata e come cães e aproveita cadáveres que encontra, isto é, sempre que pode é necrófago.

Ecologia

Espécie que vive em alcateias formadas por 3 a 8 indivíduos, devidamente hierarquizados. Existe um par dominante (par alfa). Os locais habitados por lobos caracterizam-se por baixa pressão humana, embora com elevada taxa de actividade pecuária e uma topografia acidentada. De actividade essencialmente nocturna, podem percorrer num só dia cerca de 20 a 40 km à procura de presas: mamíferos de médio e grande porte.

Habitat
Habitam em bosques abertos, tundra, florestas densas e montanhas onde se refugia em tocas escavadas por ele ou reaproveitadas de outros animais.
A população Europeia original está agora muito reduzida.A primitiva área de distribuição mundial do lobo (Canis lupus, L. 1758) abrangia quase todo o hemisfério Norte, excepção feita ao Norte do continente Africano. Actualmente este canídeo ocupa uma área muito mais reduzida, estando classificado como Espécie Vulnerável a nível mundial. Na Península Ibérica, a área de distribuição deste predador restringe-se ao quadrante noroeste da península, estando classificado como Espécie Vulnerável em Espanha e como Espécie Em Perigo, em Portugal.
Reprodução

Geralmente acasalam para toda a vida e, usualmente, apenas o par alfa se reproduz. Atingem a maturidade sexual por volta dos 2-3 anos de idade.

Apenas se reproduzem uma vez por ano – fim do Inverno ou início da Primavera (Janeiro a Março) – altura em que ocorre o acasalamento. Os nascimentos dão-se, em geral, durante o mês de Maio ou Junho. As ninhadas têm geralmente 3 a 8 lobitos nascendo com os olhos fechados e necessitando de cuidados parentais. Em finais de Outubro saem dos locais de criação e iniciam a sua aprendizagem de caça.

Factores de ameaça
As causas do declínio do lobo são a sua perseguição directa e o extermínio das suas presas selvagens. O declínio é actualmente agravado pela fragmentação e da destruição do habitat e pelo aumento do número de cães vadios/assilvestrados.
A redução progressiva do número de ungulados silvestres (corço e veado) levou a que este predador tivesse que recorrer aos animais domésticos como recurso alimentar. Deste modo, a perseguição directa por parte dos pastores que sofrem prejuízos avultados nos seus rebanhos, sofreu um incremento, apesar da lei que o proíbe. Nas últimas décadas assistiu-se à destruição do habitat preferencial do lobo, com a construção de grandes infra-estruturas viárias levou à fragmentação e redução da área de distribuição do lobo em Portugal. Actualmente, também a existência de um elevado número cães vadios/assilvestrados afecta a sobrevivência do lobo uma vez que competem com o lobo na procura de alimento, sendo provavelmente responsáveis por muitos dos ataques a animais domésticos incorrectamente atribuídos ao lobo.
 
Trabalho realizado por Soraia Veríssimo


publicado por EscolaJNJ às 22:10
link do post | comentar | ver comentários (17) | favorito
|

Cegonha –Preta

 

O nome científico : Ciconia nigra
Como é: 
Tem uma plumagem branca no ventre e negra com reflexos metálicos no dorso, cauda, cabeça e pescoço. O seu bico e as suas patas são de cor vermelha viva no adulto, são esverdeados e bastante mais claros nos juvenis. A sua plumagem escura e metálica pode, por vezes, reflectir a luz do Sol, fazendo-a parecer bastante clara quando vista de longe.
 
 
Como e onde vive: 
Habita em regiões com muitas árvores, normalmente junto a lagos, rios e terras pantanosas cercadas de árvores. Em Portugal vive apenas nas regiões mais interiores, inóspitas e isoladas. Os troços internacionais dos rios Douro, Tejo e Guadiana oferecem para a sua espécie condições privilegiadas, sobretudo devido à fraca perturbação humana que aí se regista e à abundância de locais de nidificação.
 
 
Como se alimenta:
A sua alimentação é muito semelhante à da cegonha-branca. Inclui uma maior percentagem de peixe e outros seres aquáticos. O seu regime alimentar faz com que estas aves sejam extremamente úteis para a agricultura, pois comem inúmeros insectos e servem como controladores de possíveis pragas. A base da sua alimentação é constituída por crustáceos, anfíbios, e pequenos peixes.
 
 
Como se reproduz:
Chega da sua migração em Março, inicio imediatamente a época de nidificação. Regressa igualmente a África no fim do Verão. A incubação dura vinte dias ou pouco mais.
 
Porque está em vias de extinção:
Porque o homem na sua grande ambição foi pouco a pouco destruindo o seu habitat natural, havendo ainda a salientar o facto de os agricultores utilizarem muitos químicos nas suas culturas e sem se aperceberem estão a envenenar-lhe.
 
O que se pode fazer para a salvar:
Podemos fazer campanhas de sensibilização e informação do perigo de extinção que a sua espécie corre e simultaneamente pode-se ajudar as entidades competentes na preservação da sua espécie, colocando por exemplo ninhos nos locais onde costumam nidificar.
 
Consultar:
http://www.spea.pt/index.php?op=ondeobservar
Trabalho realizado por:
                                                                               Ana Margarida nº 2
                                                                               Sofia Naendralal nº 20      


publicado por EscolaJNJ às 21:57
link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
|

Canguru

 

 

 

 

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS:
A maioria das espécies de cangurus tem orelhas grandes e cabeças relativamente pequenas. Os seus pés dianteiros pequenos têm cinco dedos de comprimento desigual, enquanto os pés de trás têm tipicamente quatro dedos. Muitas espécies são de um colorido próximo ao pardo para combinar com seu ambiente, ajudando-os esconder-se de predadores. Os machos dos grandes cangurus são notoriamente maiores em tamanho que as fêmeas, uma característica conhecida como dimorfismo sexual.
Os cangurus são marsupiais, um tipo de mamífero que dá à luz a um jovem pouco desenvolvido. Nos cangurus e em muitos outros marsupiais, os jovens são carregados e nutridos em uma bolsa especial no corpo da mãe.
Onde vive:
Os cangurus são encontrados somente na Austrália, Nova Guiné e em algumas de suas ilhas perto da praia, como a Tasmânia. Os cangurus vivem em todos os tipos de habitat ao longo da Austrália e Nova Guiné. Os cangurus-pequena vivem no deserto meridional onde há muralhas de rocha quase verticais. Por outro lado, os cangurus das árvores são encontrados em locais elevados da floresta tropicais, tal como seu nome sugere.
 
ALIMENTAÇÃO:
A maioria dos cangurus é herbívora, ou comedora de plantas. As espécies de tamanho médio que habitam a floresta como o canguru-pequena do pântano, canguru de árvore, comem folhas, brotos, e ramos. Alguns dos cangurus que vivem na floresta especializaram-se em comer cogumelos, resíduos de resina de árvores, insectos, lombrigas, e até animais mortos ou carne.
Os cangurus são semelhantes a mamíferos ungulados, como o cervo e antílope, na sua habilidade de digerir planta e importar o que é alto em fibra e baixo em proteína. Como os ungulados, eles evoluíram estômagos divididos em secções múltiplas contendo bactérias que podem quebrar paredes de célula de planta e liberar o conteúdo da célula nutritiva
.

COMPORTAMENTO:A vida social do canguru ainda não foi compreendida. Os animais reúnem-se brevemente para acasalar, mãe e cria permanecem juntos somente até que o jovem possa viver por ele próprio.

 
Os machos formam uma hierarquia, baseada em grande parte, na idade e no tamanho. O macho mais dominante, tem acesso exclusivo às fêmeas para acasalar. Ele gasta muito de seu tempo passeando de dentro e fora do seu "povoado", conferindo a condição reprodutiva das fêmeas e intimidando também outros machos que tentam acasalar com elas. Um macho pode levar dez anos para alcançar o estado de dominante, mas ele permanecerá no posto por um ano no máximo. Quando um macho mais jovem, mais vigoroso o obriga a sair desta posição este caminha para fora do seu povoado, e acaba por morrer.
Trabalho realizado por: Célia Nogueira

tags:

publicado por EscolaJNJ às 21:40
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|

Panda Gigante

 

Panda Gigante

 

Os pandas gigantes têm o pêlo preto e branco, com manchas pretas à volta dos olhos. Alimentam-se principalmente de rebentos de bambu, mas também podem comer peixes ou roedores.
Como os rebentos de bambu não são muito energéticos, os pandas gigantes não hibernam.
Um panda gigante adulto pode chegar a medir 1,5 m de comprimento e a pesar cerca de 140 kg!
Os pandas fêmeas dão à luz uma vez por ano. Na maioria das vezes, nascem apenas duas crias. Esta é uma das razões pelas quais os pandas se encontram em vias de extinção.
Quando nascem, as crias têm o pêlo todo branco e são cegas. As manchas pretas só aparecem um mês depois.com um ano de idade, já pesam entre 30 e 35 kg.
Na verdade, pensa-se que já só existam cerca de 600 a 1000 pandas gigantes no mundo.
Os pandas gigantes vivem nas encostas das montanhas da China Ocidental e do leste do Tibete. Passam o dia a descansar, a comer e a procurar alimento.
Trabalho realizado por: Paulo Elias
Podes encontrar mais informação em:


publicado por EscolaJNJ às 21:10
link do post | comentar | ver comentários (23) | favorito
|

Grande Tubarão Branco

 

 

 Tubarão Branco  -  Carcharodon Carcharias

 

 

 

Tamanho

Os tubarões brancos podem atingir 7,5 metros de comprimento e pesar até 2,5 toneladas.
 
Dieta
Come peixes em geral.
Come Leões Marinhos e Focas, que por possuirem muita gordura no corpo são um dos seus "pratos" predilectos , pois quando comem bastante gordura, podem ficar por bastante tempo sem ter que se alimentar de novo.
O Grande Branco também come outros tubarões, mais fracos ou mais velhos.
Tubarões mais velhos sabem identificar melhor o que é a comida deles: no caso dos seres- humanos, nós não fazemos parte do seu cardápio, sendo assim os tubarões mais novos mordem os seres-humanos , mas logo descobrem que não somos "gostosos" para eles e normalmente cospem.
Eles comem também pequenas baleias, tartarugas marinhas, e animais mortos boiando na água.
Encontram-se no topo da pirâmide alimentar, apenas sendo confrotados por Orcas, as Baleias Assassinas.
 
 
Se necessário são capazes de dar grandes saltos para capturar as suas presas.
 
Possuem cerca de 3000 dentes de forma triangular e bordos muito afiados, organizados em diversas fiadas, que se substituem constantemente.
 
Imagem das mandíbulas
que podem alcançar até 80cm de diâmetro.
 
 
 
 
 
 
 Mandíbula de um Tubarão Branco capturado, com 5.50m aproximadamente.
Reprodução
 
São ovíparos e geram de 2 a 14 filhotes completamente formados que podem chegar a 1,5 metros de comprimento. Como todos os Tubarões, a fertilização dos ovos ocorrem na fêmea. Os ovos chocam com a fêmea. Eles tem que saber se defender sozinhos mesmo antes de nascer, logo após o nasciento, nadam para longe da mãe.
 
 
 
Habitat
 O gigante branco é um dos tubarões com maior distribuição, devido em parte à sua capacidade pouco habitual de manter a temperatura do seu corpo mais elevada do que a do ambiente que o rodeia, o que lhe permite sobreviver facilmente mesmo em águas muito frias. Embora seja raramente visto na maioria das águas costeiras, ele costuma ser encontrado por pescadores e mergulhadores.
 
 
Lindo, poderoso e admirável o grande tubarão branco ainda sofre caçadas assassinas por todos os oceanos onde habita e corre um sério risco de extinção. A África do Sul e a Austrália foram dos primeiros países a lançar programas de protecção a este magnífico predador, que está em perigo.
                                  Olá! Se quiserem saber mais sobre mim consultem:


publicado por EscolaJNJ às 18:20
link do post | comentar | ver comentários (28) | favorito
|

Lince Ibérico

 

 

Lince Ibérico
O meu nome vulgar: Chamo-me Lince Ibérico.
O meu nome científico é:"Lynx Pardinus"
 
Como sou:
 
 

Têm o corpo revestido por pêlos. As suas orelhas caracterizam-se por um tufo de pêlos negros nas extremidades. As partes superiores são cinzentas arruivadas com manchas escuras sobre as costas, flancos e patas. A barriga é branca amarelada e a extremidade da minha cauda é negra. Têm pêlos faciais alongados que se tornam especialmente notáveis no Inverno e que são um importante órgão de tacto.
 
 
 

É uma espécie endémica da Península Ibérica e vive nas áreas montanhosas recônditas, cobertas por bosque e matagal, mas gosta das planícies alentejanas, onde existe caça abundante.
 
 
Tipo de alimento:
 
Para que este possa sobreviver é imprescindível assegurar a preservação de extensas áreas de habitat favorável, nomeadamente as zonas de abrigo e reprodução, através do estabelecimento de áreas protegidas. É um animal carnívoro de temperamento agressivo e territorial, alimenta-se à base de caça, principalmente coelho bravo e perdizes.
 
 
Ciclo reprodutivo:
 

O seu acasalamento ocorre em Janeiro e Fevereiro e as suas crias(de 1 a 4 ) nascem em Março ou abril, sendo o período de gestação de 65 a 72 dias. A fase de amamentação dura 3-4 semanas, mas as crias acompanham a mãe até estas voltarem a acasalar.
 
 
 
Porquê está em vias de extinção:
 
 
Está em vias de extinção devido á destruição e fragmentação do seu habitat, provocadas pela remoção indiscriminada da floresta e da construção de barragens e estradas.
A sua principal fonte de alimentação, o coelho bravo, morre devido ás doenças e á caça excessiva, o que dificulta a sua sobrevivência. A tudo isto podemos ainda acrescentar o seu abate ilegal em coutos de caça e em batidas a raposas e javalis e o atropelamento nas estradas.
O que se pode fazer para salvar o Lince Ibérico:

Podes também fazer campanhas de informação e sensibilização para que não destruam o seu habitat natural, para que não cacem coelhos bravos em demasia e para que não me matem enquanto procuram caçar raposas ou javalis.
 
Trabalho Realizado por: João Assunção nº 15
Sara Bastos nº 19


publicado por EscolaJNJ às 17:24
link do post | comentar | ver comentários (93) | favorito
|


pesquisar
 
Julho 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

Rinoceronte da Malásia

LINCE IBÉRICO

O Cachalote

Lobo - Ibérico

Cegonha –Preta

Canguru

Panda Gigante

Grande Tubarão Branco

Lince Ibérico

arquivos

Julho 2007

Junho 2007

tags

todas as tags

links

Relógio

Música
Contador de Visitas
Free Web Counter
Estado do Tempo
The WeatherPixie
blogs SAPO
subscrever feeds